A (minha) lógica na periodicidade de actualizações de Macs

Um ano depois do aparecimento dos primeiros macs com processadores intel, penso que podemos tirar algumas ilações sobre a lógica de actualizações do lineup de computadores destinados a consumidores por parte da Apple. Falo dos MBP, MB, iMacs e minis.

Em Janeiro de 2006 foram lançados os Macbook Pro, com revisões menores em Maio (aquando do aparecimento dos Macbook) e Outubro. Os Macbook foram actualizados em Novembro.
Do lado dos desktops, os primeiros iMac Intel são de Janeiro e sofreram a actualização para os processadores Core 2 Duo em Setembro. Quanto aos minis, lançados em Fevereiro de 2006, a sua revisão é também de Setembro.

Em todos os modelos, as actualizações oscilaram entre 5 e 8 meses. Se apontarmos para a média, será à volta de 6 meses o tempo de vida útil das primeiras versões.

Em todos estes casos assistimos a actualizações modestas no que toca a verdadeiras novidades (novas capacidades, diferentes formatos, inovações tecnológicas, etc). No fundo, assistimos a um refresh dos produtos para os manter competitivos com a concorrência.

Pior, nenhuma destas mudanças teve direito a um verdadeiro lançamento per si. Apareceram discretamente na Apple store e já está. Fosse há uns anos e um mero incremento de 100Mhz teria direito a keynote ou special event. Bem vistas as coisas, uma mera mudança de processador de Core Duo para Core 2 Duo não merecia outro tratamento.

Assim, a minha ideia vai no sentido de que a Apple pretende adoptar um ciclo semelhante ao seguido durante anos pela nVidia e ATI. Um verdadeiro modelo novo para cada segmento por ano, seguido por um refresh/actualização a meio da sua vida útil.

Esta lógica permite baixar custos de desenvolvimento e manter os engenheiros responsáveis pelas novidades centrados em ciclos anuais, eventualmente condicionados pelo aparecimento de novas plataformas intel.

Os custos de engenharia associados à actualização semestral são bastante inferiores ao do modelo novo. Fazendo mais uma analogia com o sector automóvel, não são poucos os fabricantes que lançam um produto novo e 2-3 anos depois um restyling em que modificam meia dúzia de peças (as ópticas, principalmente), oferecem mais equipamento, eventualmente motores mais performantes mas mantendo o grosso das peças do modelo a substituir.

Quererá isto dizer que espero verdadeiras novidades para o lançamento da plataforma Santa Rosa da Intel durante o segundo trimestre do corrente ano. E dia 15 de Junho temos a WWDC, pelo que até lá deverão surgir os tais novos modelos de que falo.

Explore posts in the same categories: Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: