Arquivo de Fevereiro 2007

Sempre o Leopard

Fevereiro 28, 2007

O Graceful Flavor deu uma vista de olhos às imagens que foram ontem publicadas pelo Think Secret, dando conta de algumas possíveis modificações inesperadas no Leopard. Quem as quiser conhecer (nada do outro mundo, excepto a aceleração dos movimentos de resize de janelas…) passe por lá e confirme.

Mas, para mim, o mais interessante é a sua opinião sobre o lançamento do OS X10.5 em Março: “no way Jose”.

“Think Secret still pegs Leopard’s final release at end of March, but that’s something I like to call bullshit. My call is, and has been, late May/early June. March seems an awfully aggressive timeframe to reach GA quality, especially when “stability remains questionable, with many applications experiencing unexplained hangs or crashes”. That doesn’t tell me we’re 30 days away from GA, but what do I know? I’ve only been in the software business all of my professional career.”

Assino por baixo. Com a plataforma Santa Rosa prevista para Maio e a WWDC a 15 de Junho, será por aí o lançamento do Leopard.

Anúncios

Como colocar um Compact flashcard num iPod mini

Fevereiro 28, 2007

Confesso ser um feliz dono de um iPod mini (1G) sem grande vontade de o trocar por qualquer modelo mais recente da apple. É rijo, faz o que lhe mandam (passar música) e os seus únicos problemas ao longo dos dois anos e meio que me tem acompanhado são a bateria que está nas últimas e o facto de se desligar às vezes acusando falta de bateria para logo a seguir o ligar outra vez e continuar a funcionar. Manias.

Bom, mas o que me deixou feliz foi ter visto hoje um tutorial de como substituir o disco interno por um Compact flashcard de 4GB. Melhor, não há nenhum motivo para que não seja possível instalar um cartão de capacidade superior, nomeadamente de 8 ou 16GB.

Aparentemente o processo é tão simples (ou difícil) como a substituição directa do disco do mini por outro disco idêntico. São precisas mãos com jeitinho para peças sensíveis.

Fica aqui o link para o tutorial do Geektechnique.

Há coisa de um ano encontrei também um site onde explicavam como instalar um cartão flash mas daqueles baseados nos discos rígidos de 1″ da Seagate. Mais caros e (na altura) com capacidades limitadas a 8GB. Não faço ideia onde tenho esse link, mas de qualquer forma, a sugestão do dia de hoje parece-me bem mais interessante.

Está na altura de eu comprar um desses cartões e uma bateria nova.

Nova beta do Camino

Fevereiro 27, 2007

Já está disponível uma nova beta do browser Camino.

Finalmente já permite salvar/repor a sessão anterior sem necessidade de plugins.

Confesso que já utilizei mais o Camino, há dois meses que praticamente só utilizo o Safari com o plugin Inquisitor.

Release Notes Camino 1.1 beta 

Origens da (e do) Spinning Beachball

Fevereiro 27, 2007

A Spinning Beachball é também conhecida afectuosamente por SBoD (Spinning Beachball of Doom/Death), sendo o equivalente no mundo mac da simpática ampulheta do ambiente Windows.

No OSX é, basicamente, o sinal de espera de uma aplicação que deixou de responder. Como muitas outras coisas do X, as sus origens são o NEXTSTEP.

Para quem quiser mais informações sobre a bola, nada como dar um salto à Wikipedia.

E aqui fica a dita em toda a sua glória:

o Spinning beachball tem origens mais modestas. Nasceu da minha vontade de voltar a escrever algo sobre tecnologia. Há uns anos (2000-2003) atrás fui editor de conteúdos do portal da defunta Unreal e ficou o bichinho. Ficou também muito cansaço de tanta escrita por obrigação sobre tecnologia.

Portanto, nada melhor que criar um blog sobre um único tema (Apple), que me interessa (já lá vão dois anos desde o meu switch) e que não me obriga a escrever por obrigação todos os dias.

Vai daí que não verão posts diários aqui ou comentários a tudo o que é rumor sobre novos produtos, ideias ou afins. Prefiro pensar, reflectir e escrever meia dúzia de linhas ao invés de ser uma mera correia de transmissão.

Quanto às fotos do cabeçalho – numa cópia obtusamente descarada do Tao of Mac – são apenas algumas chapas tiradas em Barcelona onde vivo actualmente.

Mini-review do Scrivener

Fevereiro 24, 2007

Esta semana o Infinite Loop do Arstechnica colocou online uma mini (bem extensa) review do programa scrivener.

A pedido de muitas famílias da Techzone, aqui fica a minha verdadeiramente (mini) review, com a ressalva de não ser propriamente especialista no Scrivener.

O Scrivener é um daqueles programinhas úteis que faz uma série de coisas bem: é um bom outliner, permite tomar notas sob o formato de pequenos cartões (ou em linguagem de académica as temíveis “fichas de leitura”), organizar ideias e ainda escrever em modo de processador de texto.

Apesar de não ser freeware, é um software bastante interessante para pessoas que necessitam de escrever artigos, livros ou teses. Eu incluo-me neste último caso.

Começando pelo modo de outlining, o mesmo é menos completo em comparação com o supra-sumo dos outliners para Mac: o Omnioutliner.

Na imagem seguinte podem ver na coluna do lado esquerdo o modo draft (onde encaixa o outlining do documento que vamos preparar) e o modo research, também conhecido por corkboard onde se afixam os mencionados cartões ou fichas.

0.jpg

Cada ponto de outline funciona como um simples título de capítulo, facilitando a exposição das ideias de quem escreve. Neste modo é também possível criar subtópicos ou subpontos de outline, como no Omnioutliner. Assim se estamos a escrever um artigo que além das partes inclui subpartes, é extremamente fácil separar a informação.

Quanto ao modo corkboard, esta funcionalidade é uma benção para quem está habituado a organizar as suas ideias em cartões distintos, agrupando-os por cores para determinar o respectivo contexto. Quer dizer, a cada cor corresponderá um tema ou um assunto o que facilita o processo de organização dos mesmos. Se já sabemos que o amarelo é uma opinião de um autor num determinado sentido ou o verde a opinião em sentido diferente, quando estamos a escrever é possível ir buscar toda essa informação apenas através do marcador colorido.

1.jpg

Outra forma de organização é a possibilidade de cada cor nas notas do corkboard corresponder a uma secção do outlining.

Todas estas vantagens dependem da forma de organização mental de cada um. Eu compreendo as vantagens do esquema das cores ou do corkboard, mas como sou fã do Omnioutliner, organizo as minhas ideias de forma distinta.

E por fim o modo processador de texto. O modo de processamento de texto do scrivener é simpático. Tem todas as funções básicas de um programa do tipo (fontes, parágrafo, estilos, notas de rodapé, sublinhados, etc), sem ser excessivo como o Word.

Neste ponto é de destacar ainda os dois modos de visualização adequados ao trabalho de escrita que se realiza. O primeiro permite produzir o texto numa metade do ecrã enquanto se vai dando uma olhada às notas que temos na outra metade. Funciona com separação vertical ou horizontal.

2.jpg

O outro modo é o da “moda”. Trata-se do modo fullscreen que obscurece todo o ecrã à excepção do documento a editar. A sua grande (bom, única) vantagem é afastar as distracções motivadas pelos excessos de estímulos visuais existentes no nosso desktop.

Para tirar simples notas em fullscreen prefiro o gratuito Writeroom.

Concluindo esta mini-review, vou dar uma oportunidade ao Scrivener de me seduzir. Tenho de escrever um artigo académico para entregar no final de Março e vou efectuá-lo neste software. O Omnioutliner que me perdoe.

Quem quiser encontrar informação mais aprofundada sobre o scrivener dê uma vista de olhos à review do Infinite Loop ou passe no site do programa.

EDIT: Peço desculpa pelos screenshots estarem cortados, mas não me apetece andar a alterar as imagens à mão :). Ainda assim servem perfeitamente para ilustrar os meus pontos.

Não havia um “Special Event” no dia 20?

Fevereiro 23, 2007

Em Janeiro, um novo blog (o primeiro aí da direita) apreguava aos quatro ventos que no dia 20 de Fevereiro teríamos um “Special Event” da Apple, à semelhança do ocorrido o ano passado aquando do lançamento do macmini intel e do ipod hifi.

Bom, é hoje dia 23 e “Special Event” nem vê-lo. Estou espantado? Nada. Para mim, foi apenas uma táctica de promoção desse blog para atrair tráfego. Basta verificar a quantidade de rumores loucos que têm lançado.

Estranhamente, o Apple Recon está calado desde o dia 14 de Fevereiro.

Estou espantado? Nada.

Por vezes a blogosfera faz-me lembrar dos arautos da desgraça que prometem o fim do mundo para o dia x e, oops, ficam de rastos – pelo menos ao nível da reputação – quando o mundo continua a girar.

Leopard e Santa Rosa

Fevereiro 23, 2007

Há algo que me escapou no meu anterior post sobre o Leopard, em particular, não ter feito a devida associação entre a sua (previsível) data de lançamento, eventuais novos Macs a lançar (mais ou menos) na mesma altura e a nova plataforma para portáteis da Intel, Santa Rosa.

Como das novidades da plataforma Santa Rosa já falei e visto todos os macs actuais – à excepção do Mac Pro – utilizarem a plataforma mobile da intel, não me espantaria que algumas das “secret features” do Leopard dependessem das inovações técnicas daquela plataforma.

Agora que features seriam essas…bom não gosto de rumores e especulações descabidas.

Afinal de contas, o Vista irá aproveitar as novas características da plataforma referida e seria tremendamente estúpido se a Apple não fizesse o mesmo. Nem que seja para evitar comparações negativas de não estar a aproveitar todas as capacidades da nova plataforma.

Este seria mais um argumento para a manutenção do status quo no lineup da apple: 0  (zero) computadores com processadores Core 2 Duo de desktop.

Ainda assim, tais novidades do Leopard não seriam aplicáveis ao Mac Pro por este não partilhar a “base genética” do resto da família de computadores mac.